Prevenção do câncer, um Propósito Global

Saúde
FIFARMA

Prevenção do câncer, um Propósito Global

Receber a difícil notícia de um diagnóstico de câncer, uma doença que mergulha o paciente e sua família em um estado de incerteza, é angustiante. Infelizmente, essa é a realidade de mais de quatro milhões de pessoas e suas famílias na América Latina e no Caribe. Um número que crescerá para seis milhões até o ano de 2040, de acordo com projeções da Organização Pan-Americana da Saúde.

Como sociedade, podemos trabalhar juntos para prevenir a ocorrência de novos casos por meio do autocuidado e, simultaneamente, buscar garantir o acesso oportuno dos pacientes às terapias oncológicas mais avançadas.

De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), cerca de 50 por cento de todos os casos no mundo são preveníveis se três ações-chave forem colocadas em prática: adotar estilos de vida mais saudáveis, vacinar-se oportunamente contra a hepatite B e o vírus do papiloma humano (HPV) para prevenir o câncer de fígado e cervical, respectivamente, e fazer check-ups regulares para detectar riscos ou câncer em estágio inicial.

Portanto, na Federação Latino-Americana da Indústria Farmacêutica (FIFARMA), estamos comprometidos em trabalhar com as partes interessadas em saúde da região para aprimorar campanhas de prevenção do câncer.

A colaboração é fundamental. Isso foi demonstrado com as vacinas COVID-19 que puderam ser desenvolvidas em tempo recorde graças à colaboração ativa de governos, comunidade científica e indústria farmacêutica, salvando milhões de vidas ao redor do mundo.

Baseando-se nessa experiência, em 2023, o G7, o grupo das economias mais desenvolvidas do mundo, lançou a iniciativa G7 Cancer. Sob essa iniciativa, institutos nacionais de pesquisa do câncer unirão forças para fortalecer a cooperação e acelerar o desenvolvimento de soluções para combater o câncer de forma mais eficaz, incluindo avanços em genética e genômica, medicina oncológica de precisão, diagnósticos por meio de novas técnicas de biópsia sintética e uso de inteligência artificial.

Além de melhorar a prevenção, na América Latina, temos o desafio de facilitar o acesso oportuno a esses tratamentos inovadores.

Nosso relatório mais recente ‘FIFARMA W. A. I. T. Indicator 2023’ analisa a disponibilidade na América Latina de novos medicamentos oncológicos. Identificamos quanto tempo leva desde o momento em que são aprovados nos Estados Unidos (EUA) e na União Europeia (UE) até serem aprovados e disponíveis ao público em nossos países.

Observamos que dos 115 medicamentos oncológicos aprovados pelos EUA e pela UE entre 2014 e 2021, 73 foram aprovados em algum país da América Latina, e desses, apenas 50 estão amplamente disponíveis.

Também descobrimos que, após a aprovação pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, os pacientes latino-americanos devem esperar, em média, entre 2 e 4,7 anos para ter acesso a esses mesmos tratamentos.

Esta é uma lacuna que podemos fechar por meio de um trabalho coordenado entre agências reguladoras, governos, associações de pacientes, comunidade científica e indústria farmacêutica. Na FIFARMA, continuaremos a contribuir para garantir acesso amplo e oportuno a tratamentos inovadores contra o câncer em nossa região.

A erradicação do câncer deve continuar sendo um propósito da humanidade; todos nós podemos contribuir. A prevenção é a melhor solução, e o acesso equitativo a terapias é a forma mais humana de enfrentar esse desafio global.

YANETH GIHA
Diretora Executiva da FIFARMA

Tag
Compartir

Buscar

Postagens recentes

pexels-julie-viken-593451
Qual é o tempo de espera para acessar novos medicamentos contra o câncer na América Latina?
pexels-photo-8736362
Impacto da Vacinação no Bem-Estar Econômico e Social
pexels-polina-tankilevitch-3735769
A nova geração de vacinas para os não iniciados